07 julho 2017

História da Ajudaris


A turma 6º D revela a sua faceta solidária ao enviar mais uma história para o livro da Ajudaris

A FAMÍLIA SEMPRE PRIMEIRO!

Alice era uma bela menina que acordava sempre feliz, pois sabia que os seus dias nunca eram aborrecidos. Ela dedicara alguns dias da semana para estar com as pessoas de que mais gostava da sua família. À quarta, ia ter com o seu tio Joaquim, ajudá-lo na sua horta; à quinta, ia ter com os seus primos, para brincarem e jogarem a tarde inteira. Mas o seu dia preferido da semana era sexta, pois era quando ela ia ter com a sua avó Lídia. Elas passavam o dia juntas e divertiam-se, mas o que Alice mais gostava, era quando a avó a ensinava a fazer croché.
Alice ia para o seu primeiro dia de aulas, mas antes de sair de casa deu, como de costume, um beijinho aos seus pais. Ela foi fazendo novos amigos, com quem gostava de estar. Passado algum tempo, os amigos propuseram uma ida ao cinema, o que a deixou entusiasmada. Ficou marcada uma sessão para sexta-feira, precisamente no dia reservado para a avó… A menina achou que a avó compreenderia e não faria mal faltar uma vez ao “encontro”.
O problema é que Alice não sabia que podia ser a última sexta-feira com a sua avó saudável, por uma grande temporada! É que, precisamente nesse dia, a avó caiu das escadas e fraturou um braço, o que deixou Alice com remorsos por não ter estado lá presente.
Apesar disso, sexta continuou a ser o dia preferido de Alice, mesmo a avó estando limitada nos seus movimentos e não podendo fazer croché, pois elas continuavam a divertir-se e conversavam imenso.
A família vem sempre primeiro do que os amigos, pois a família está sempre cá para nós, e os amigos vão e vêm, até porque a relação que temos com a nossa família é muito mais forte!

LEMBREM-SE: A FAMÍLIA VEM SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR!


Alunos do 6ºD 

Mas quiseram dá-la conhecer aos alunos da sala de Multideficiênca da escola sede, recontando a história com símbolos pictrográficos para a comunicação. Aprova de que todos juntos podemos ler.





Bela história! Parabéns!

Dia da criança

Todos os dias deveriam ser dias da criança, por isso vai sempre a tempo publicar a alegria que as crainaças da Escla das Devesas viveram no dia 1 de junho.
A propósito do poema de Luísa Ducla Soares "Meninos de todas as cores" e da declaração dos direitos da  criança, os alunos pintaram meninos de todas as cores e colocaram-nos um painel gigante. 


Uma vez um menino branco, chamado Miguel, que vivia numa terra de meninos brancos e dizia:

É bom ser branco
porque é branco o açúcar, tão doce
porque é branco o leite, tão saboroso
porque é branca a neve, tão linda.

Mas certo dia o menino partiu numa grande viagem e chegou a uma terra onde todos os meninos são amarelos.
Arranjou uma amiga, chamada Flor de Lótus que, como todos os meninos amarelos, dizia:

É bom ser amarelo
porque é amarelo o sol
e amarelo o girassol
mais a areia amarela da praia.

O menino branco meteu-se num barco para continuar a sua viagem e parou numa terra onde todos os meninos são pretos.
Fez-se amigo de um pequeno caçador, chamado Lumumba que, com os outros meninos pretos, dizia:
 É bom ser preto
 como a noite
 preto como as azeitonas
 preto como as 
estradas que nos levam a toda a parte.

O menino branco entrou depois num avião, que só parou numa terra onde todos os meninos são vermelhos. Escolheu, para brincar aos índios, um menino chamado Pena de Águia. E o menino vermelho dizia:

É bom ser vermelho
da cor das fogueiras
da cor das cerejas
e da cor do sangue bem encarnado.

O menino branco foi correndo mundo até uma terra onde todos os meninos são castanhos. Aí fazia corridas de camelo com um menino chamado Ali-Bábá, que dizia:

É bom ser castanho
como a terra do chão
os troncos das árvores
é tão bom ser castanho como o chocolate.







Quando o menino voltou à sua terra de meninos brancos, dizia:

É bom ser branco como o açúcar
amarelo como o sol
preto como as estradas
vermelho como as fogueiras
castanho da cor do chocolate.




Enquanto, na escola, os meninos brancos pintavam em folhas brancas desenhos de meninos brancos, ele fazia grandes rodas com meninos sorridentes de todas as cores.











O mundo certo seria assim... colorido, alegre! 

Escrever poesia em inglês


Nunca é tarde para pulblicar boas práticas!
As  turmas dos 9.ºA, B,C e D, com a orientação da professora de inglês, Drª Generosa Freitas, escreveram poemas  sobre a Natureza , expressando emoções e sentimentos perante o que os rodeia.




Estes poemas foram reunidos num livro digital realizado em colaboração com a bibliteca escolar. 

Disponibilzamos o link:


http://www.calameo.com/books/0025599044148b92280b2


Parabéns pelo excelente trabalho!





12 junho 2017

Encontro intergeracional

Mais um momento de convívio entre os alunos do 3ºC Escola das Devesas e os utentes do lar Almeida Costa. Desta vez fez-se exercício físico com a orientação do professor Almerindo. 








E no fim, é claro, o lanche partilhado.

Concurso de poesia interescolas de Gaia

O Agrupamento Dr. Costa Matos foi reconhecido pela sua participação no concurso de poesia interescolas de poesia de Gaia, na sua 7ª edição, já que obteve dois primeiros prémios e uma menção honrosa neste concurso.






Na entrega de prémios, no dia 7 de Junho, na Biblioteca Municipal, os premiados leram os seus poemas, destacando-se a apresentação das crianças do pré-escolar ( EB de Cabo-Mor) que, de papel na mão “leram” a sua poesia.
Logo que possível publicaremos aqui a antologia digital com todos os poemas.

Todos juntos podemos ler

No âmbito do projeto Todos juntos podemos ler, o aluno Francisco Nora do 5ºD  apresentou o livro A cadelinha amarela & vários amigos dela, de Manuela Castro Neves, aos colegas da sua turma. 




Trata-se de uma história de amizade, solidariedade e respeito pelos animais que agradou a todos.

O Francisco foi lendo no tablet o livro digital enquanto ia passando a história em SPC (símbolos pictográficos para a comunicação).









 Ainda houve tempo para pedir  a colaboração dos colegas que acompanharam brilhantemente a história e responderam de forma acertada às perguntas do Francisco.



Todos os  alunos perceberam que há várias maneiras de ler e contar histórias e que o importante é que que elas não fiquem presas nas folhas dos livros e  nas  estantes.

 Esta atividade refletiu o objetivo primeiro deste projeto: partilha de experiências respeitando  o ritmo e a capacidade de cada um,  com base no principio da equidade, numa escola que se quer inclusiva.


Parabéns, Francisco!

01 junho 2017

Dia da criança


Se os adultos se lembrassem mais vezes dos seus  tempos de criança...


Pois eu gosto de crianças!
Já fui criança, também…
Não me lembro de o ter sido;
Mas só ver reproduzido
O que fui, sabe-me bem.

É como se de repente
A minha imagem mudasse
No cristal duma nascente,
E tudo o que sou voltasse
À pureza da semente.
Miguel Torga