16 fevereiro 2017

Semana dos afetos

O mês de fevereiro é o mês dos afetos e a biblioteca não podia deixar de abordar este tema, com o destaque de livros, leituras de poemas e textos e passagem de filme.




No dia 14, dia de S. Valentim, estendeu poemas num varal e ofereceu-os aos alunos.





 Para além disso, chamou a atenção para o problema da violência nas relações, pedindo aos alunos que identificassem ações e sentimentos positivos nas relações amorosas, em contraste com atitudes de abuso e violência no namoro.




Na escola das Devesas, o dia foi assinalado com a representação de O sapo apaixonado por um grupo do pré-escolar, no âmbito do projeto Todos juntos podemos ler.





















Com direito a repetição, na escola sede, para uma turma do 6ºano.







À hora do almoço, os alunos da escola das Devesas ainda puderam ver o filme A dama e o vagabundo na biblioteca escolar.  Que bem que se esteve neste dia frio de inverno!





07 fevereiro 2017

Dia da internet mais segura

 Durante todo o mês de fevereiro a Biblioteca Escolar levará a cabo várias ações de sensibilização para o uso seguro da internet, alertas para os  problemas associados à redes sociais e das novas tecnologias.

A primeira foi a distribuição de uma "chave" com uma mensagem importante.


Fornecer as palavras-passe é dar a possibilidade a estranhos de invadirem a tua privacidade.

Protege-te e protege os teus! 






Eu li e...gostei!



Apesar de ter sido publicado há 36 anos (1980) a obra de Alice Vieira,  Rosa, minha irmã Rosa, continua muito atual. 
Assim se comprova com as opiniões de alguns alunos do 6ºD.

O livro “ Rosa, minha irmã Rosa” é um livro muito interessante, fácil e rápido de ler, e ensina-nos a darmos mais valor às coisas, pois nós só damos valor às coisas quando deixamos de as ter, como no livro. A Mariana ao princípio não gostava muito de Rosa, pois passou a ter menos afeto da família e menos atenção dos pais, e também se apercebeu de que iria ter de partilhar o quarto e os brinquedos com a sua irmã.
Numa noite de trovoada, Mariana acorda “chateada” com o choro e a tosse da irmã, mas nunca pensou que fosse dar origem a uma grave pneumonia e que a sua irmã ia ter que ficar internada no hospital durante alguns dias
Quando Rosa chegou a casa, a Mariana prometeu que ia passar a gostar mais dela e arrepende-se de tudo o que lhe chamou.
Sofia Graça, 6ºD

Na minha opinião, o livro "Rosa, minha irmã Rosa" é divertido e contém várias aventuras, travessuras e momentos de diversão. É uma obra com uma linguagem acessível e muito bem escrita.
 Fala sobre uma menina, de seu nome Mariana, que era muito divertida. Quando recebeu a notícia de que ia ter uma irmã, sentiu que a irmã ia ser uma "intrusa". Mas Mariana vai começar a gostar mais da irmã, quando Rosa de repente adoece e Mariana fica chocada com a notícia; Rosa fica doente com uma pneumonia e, quando volta para casa, Mariana sente-se alegre e entende que Rosa é da família.
 Gostei muito deste livro!

Diogo Campos, 6ºD

Eu acho que a obra está bem estruturada, com vocabulário acessível e interessante, e fala de um "problema" que algumas pessoas têm: a aceitação de uma nova irmã (ou irmão) bebé. Na maioria dos casos acontece como na história. Os pais dão mais atenção ao bebé e os outros filhos sentem-se "de parte", tal como na história. Mas no fim começam a habituar-se à nova pessoa e a preocupar-se com ela, normalmente depois de um problema grave. Eu acho que a obra é interessante por causa disto, porque fala de um problema real. 
Francisca Freitas, 6ºD





Uma leitura a fazer. Procura o livro na Biblioteca.



Poema

A Carolina Anselmo sentiu o apelo que muitos de nós sentimos nestes primeiros meses do ano: pensar nos 365 dias que temos pela frente.




 E fê-lo muto bem...PARABÉNS!

31 janeiro 2017

Saber pesquisar


Todas as turmas do 4º ano do agrupamento têm vindo à escola sede, às quartas-feiras, para  conhecer a biblioteca, o modo como os documentos estão organizados e  familiarizar-se com o o modelo de pesquisa Big Six.


 Fazer uma pesquisa sobre um assunto deve obedecer a algumas etapas para se 
aceder
selecionar
usar

a informação de forma responsável e correta.


Ficam conhecerModelo de pesquisa BIG SIX , o famoso modelo das maçãzinhas para os mais pequenos


Com a orientação da professora Ana Gouveia e do professor da turma, os alunos passam depois à parte prática. 














E os resultados estão à vista..

    Trabalho de pesquisa – Os Sismos





                                    O que disseram os alunos...
 
 Hoje, dia 11 de janeiro, a nossa turma foi à biblioteca da escola sede. A professora fez cinco grupos, o meu era o grupo um e eu era a porta-voz. O grupo era constituído por quatro elementos, entre os quais eu, a Lúcia, o Junio e o Daniel.
   Lá, a professora Ana Gouveia, que estava a orientar a atividade, apresentou um "powerpoint" sobre o modelo de pesquisa “Big Six”, chama-se assim porque tem seis etapas. Aprendi muito! Quando se faz um trabalho de pesquisa deve escrever-se a bibliografia, de onde tiramos essa informação. Se não fizermos isso quando formos maiores é um ato punível por lei.
   A professora deu-nos um livro e uma folha com perguntas sobre sismos e as orientações. Depois tínhamos que preparar o que íamos fazer na folha grande, atrás. O nosso cartaz ficou muito bonito, enfeitámos as letras s. i. s. m. o.  e  s. com vários desenhos alusivos ao respetivo tema. Fomos os primeiros a acabar, apesar de ter havido alguns enganos a marcador. Ups!!!
   Os restantes grupos também apresentaram os seus cartazes, estavam todos muito bonitos. No fim, cada porta-voz deu uma palavra sobre esta magnífica experiência.

Matilde Pinto 4ºB Devesas


Hoje, a minha turma, foi à biblioteca da escola Dr. Costa Matos, que é a escola sede do agrupamento de escolas que eu frequento. Fomos lá fazer um trabalho de pesquisa «BIG SIX».
   O trabalho de pesquisa foi sobre os sismos que é uma matéria que eu e os elementos do meu grupo já aprendemos. O meu grupo era constituído por mim  (David), pelo David R., pela Diana, pelo José Telmo e pelo Leonel.
   Gostei do meu grupo de trabalho e acho que correu bem. Soubemos distribuir as tarefas muito bem por todos nós, todos contribuímos e o resultado foi fantástico!
   Pesquisámos  num livro que não trazia a toda a informação necessária e então tivemos que pensar. Aprendi algumas coisas com esse livro como, por exemplo, que quanto mais rápido o sismo for, mais possibilidades tem de criar uma catástrofe.
  No início da pesquisa aprendi o que significa a sigla C.D.U. que quer dizer Classificação Decimal Universal, que está num cartaz que há em todas bibliotecas e que é organizada por números (classes) e cores. Há 9 classes e cada uma fala sobre um tema diferente de livros que há nas bibliotecas escolares.
   No  trabalho havia quatro perguntas que eram:«O que é um sismo?» ; «O que (pode) provoca(r)?» ; «Que aparelho avalia a intensidade de um sismo?» ; «Que nome se atribui à sua escala?» ; «Refere algumas medidas de proteção: a) durante um sismo; b) após um sismo.» Conseguimos dar respostas muito completas a todas as perguntas.
     Gostaria de fazer mais trabalhos de grupo deste género, alguns com tema livre. Podemos fazer na escola. Só espero que corra bem como este!!!  
David Correia , 4ºB Devesas 


Parabéns pelo excelente trabalho!
         



O escritor veio à escola!

O prometido é devido. 

A promessa do encontro com o escritor João Manuel  Ribeiro no Agrupamento cumpriu-se. 

O escritor esteve todo o dia de 24 de janeiro na escola sede e no dia 26 na escola das Devesas.



 Os alunos apresentaram os seus trabalhos de exploração, recriação e ilustração  de algumas das obras do escritor ... 







 
Os alunos da Unidade de Multidificiência ficaram  conhecer uma Casa Gande onde sempre deve estar presente o amor, o carinho doce como o mel e os alimentos partilhados.

 
Os alunos de Currículo Educativo Individual recriaram poemas.

A partir de um  poema em  Cantilenas Loucas, Orelhas Roucas...

Senhor Rafael
Isto é o meu farnel!

Senhor Joel
Isso é de papel!

Senhor Delfim
Isso não é assim!

Senhora dona Luciana
Esta é a minha mana!

Senhora dona Mariana
Aqui sou eu quem manda!

Senhora dona Bruna
Esta é a minha unha!

Senhora dona Catarina
Esta é a minha tangerina!

Senhora dona Vera
Isso também eu era!


A prova de que todos juntos podemos ler, escrever, representar...


No fim, os alunos fizeram perguntas. Quiseram saber sobre o que é ser escritor, como nascem as histórias, quais as motivações para os poemas.

E João Manuel Ribeiro não se fez rogado. Contou muitas situações que o levaram a escrever  e falou-lhes do grande responsável por ele se ter tornado escritor: o seu avô que lhe contava histórias e  lhe mostrou o mundo subindo com ele a um castanheiro e fazendo-o ver mais longe.


Também na Escola Básica das Devesas, todos ficaram a conhecer o escritor.

Do pré-escolar...
...aos mais velhinhos, que foram adicionando à Casa Grande os sentimentos de paz, de amor, de justiça, de liberdade 






Com os sentidos alerta, o coração atento e pensamento desperto  a poesia as histórias surgem a poesia nasce - disse o escritor.


Só se aprende a gostar de escrever, escrevendo sobre o ouvimos, cheiramos, sentimos, pensamos, buscando nas palavras os seus diferentes sentidos, a sua sonoridade e a relação que podem estabelecer umas com as outras


No fim, ainda cantou com os alunos e escreveu dedicatórias personalizadas. 




Obrigado, João Manuel Ribeiro!


Todos juntos podemos ler...poesia

Todos juntos, os alunos do currículo educativo individual puderam ler vários poemas de Cecília Meireles.

Foi numa das tardes de janeiro que nos divertimos e aprendemos com Isto ou aqulio.






Os alunos ouviram, identificaram objetos, imagens...







 Repetiram frases, palavras, interjeições, sons. Descobriram ritmos e sonoridades.

Uma tarde a repetir!